Como viver “insatisfeito” e ainda assim ter resultados positivos em sua vida pessoal e profissional?

sem imagem

Certa vez, após sairmos de um treinamento fantástico, onde houve entre os participantes uma interação muito boa e marcamos de nos encontrar em um barzinho para confraternizar.

Havia neste grupo uma pessoa que tinha alcançado resultados muito bons em sua vida. Era uma pessoa madura e porque não dizer; com certo grau de sabedoria, e  mostrava que vivia muito de bem com a vida. Ele tinha feito progressos grandes e  interessantes em várias áreas de sua vida. Mas o que mais chamava a atenção era o fato dele ser ainda uma pessoa muito jovem.

Qual teria sido o fator que contribuiu para esse grande avanço e sucesso em sua vida?

Na verdade foram vários fatores, mas um em especial me chamou muito a atenção.

Durante a conversa que foi super agradável; que tivemos na mesa de bar fiquei atento para tentar perceber e descobrir algumas pistas. Também fiz perguntas diretas ele. E vou contar agora o que aprendi.

O fator que me impressionou e que contribui para suas realizações era a “insatisfação”. Isso mesmo! “Insatisfação”. Ele era uma pessoa insatisfeita com a vida. Mas não era essa insatisfação comum que vemos nas pessoas que vivem se queixando, que vivem desmotivadas.

Para usar uma terminologia diferente, diria que ele tinha um certo “descontentamento divino”.

O descontentamento divino não é apenas uma mera insatisfação, mas o desejo de aprimoramento contínuo, o desejo de melhorar sempre. Tinha um algo índice de exigência sobre si  mesmo . É quando a pessoa nunca se dar por satisfeito, sempre quer mais. Sempre acha que pode melhorar. Esse é um grande segredo que faz com que as pessoas nas mais variadas áreas atinjam resultados excelentes.

Um caso famoso que virou lenda e já foi contado como se tivesse acontecido com Steve Jobs da Apple, foi contado num artigo no site Highlife, da British Airways.  David Phelan, escreveu:

“Diz a lenda que, quando os engenheiros mostraram o primeiro Walkman a Akio Morita, cofundador da Sony, ele pediu um balde de água e jogou o protótipo nele. Quando saíram bolhas de ar, ele disse: ‘Há espaço livre. Façam-no menor!’”

A mesma história envolvendo Morita é contada no livro “Organizational Behaviour: Performance Management in Practice”, de Richard Pettinger. *

E para terminar deixo para vocês um pensamento  de Robert Baden-Powell para reflexão:

“Muitas pessoas devem a grandeza de sua vida aos problemas que tiveram de vencer.”

 

*fonte: revista exame.com

Erick Barcelos